Tempestade de ideias

Lia Ernst Hans Gombrich. Encantado com Leonardo da Vinci, ao anoitecer de uma tarde amazônica. Absorto. Os olhos em “Estudos anatômicos”, laringe e perna, de 1510. Quanta perfeição! Pura arte e anatomia nunca vistas. A última ceia. Mona Lisa. Os olhos deslizam das páginas. À esquerda. Clarões, nuvens, luzes. Sinalizadores do pássaro de aço que da Vinci idealizara. Os olhos voltam-se para as páginas. Mona Lisa. Uma força me impele a erguer os olhos. Duas mãos estendidas por sobre a poltrona 10A chegam a me assustar. O sinal da presença humana tirou-me dos momentos de transe total nos quais vivia cada detalhe de Gombrich sobre da Vinci. A respiração oscilou o ritmo. Um rosto de menina surge entre aquelas mãos, na altura dos cotovelos, lança-me um sorriso terno, infantil e diz; “Tio, porque o senhor deixa aquilo aberto?” e dirige o braço direito para a janela da poltrona 11A na qual eu estava sentado. “É para olhar a nuvens e curtir essa sensação de liberdade”. Sorri. Ela sorriu. “Tomei um susto com as suas mãos”. Ela abriu ainda mais o sorriso. CONTINUA!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Tua voz

Ao ouvir tua voz
Relembro TUDO de nós
Sons emaranhados
Corpos enrolados.
A rolar pela cama
E caírem no chão
Quem assim ama
Explora todo o tesão.
Que entre nós aflora
Sem lugar ou hora
Basta só te ouvir
Para o desejo emergir.
Sem limites para a entrega
Numa loucura sôfrega
Arrancamos as roupas
Quebramos laços e loucas.


quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Venero-te

Assim como te quero, venero-te
Aos pés da santa cruz do dia
Curvo-me diante da alegria
Em tê-la venerável guia.
A guiar-me sensorialmente
Às peles íntimas do teu corpo
Que deslizam deliberadamente
A roçar rente ao meu rosto.
Quando toco teu clitóris acre
Gosto de vida ainda sorvo
Onde um dia foi teu lacre
Hoje é o que venero absorto.
Um crente diante do altar
Que o teu corpo para mim significa
Esta oportunidade de te amar
Como homem me dignifica.


quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Quero-te

Forte sou, se contigo estou
Pela vida, quero-te, não nego
A mim me transforma este amor
Até nas dores que carrego.
Amar-te em forma de arte
Pincéis em cores de loucura
Tudo o que somos em parte
Resultou da nossa postura.
De assumir tão louco amor
E suportar gotas de dor
Sangram veias do coração
Rios da nossa paixão.
Escorrem de nós após o gozo
Em gritos e pequenos urros
Que não apagam nosso fogo
Renascem a cada sussurro.