Tempestade de ideias

Lia Ernst Hans Gombrich. Encantado com Leonardo da Vinci, ao anoitecer de uma tarde amazônica. Absorto. Os olhos em “Estudos anatômicos”, laringe e perna, de 1510. Quanta perfeição! Pura arte e anatomia nunca vistas. A última ceia. Mona Lisa. Os olhos deslizam das páginas. À esquerda. Clarões, nuvens, luzes. Sinalizadores do pássaro de aço que da Vinci idealizara. Os olhos voltam-se para as páginas. Mona Lisa. Uma força me impele a erguer os olhos. Duas mãos estendidas por sobre a poltrona 10A chegam a me assustar. O sinal da presença humana tirou-me dos momentos de transe total nos quais vivia cada detalhe de Gombrich sobre da Vinci. A respiração oscilou o ritmo. Um rosto de menina surge entre aquelas mãos, na altura dos cotovelos, lança-me um sorriso terno, infantil e diz; “Tio, porque o senhor deixa aquilo aberto?” e dirige o braço direito para a janela da poltrona 11A na qual eu estava sentado. “É para olhar a nuvens e curtir essa sensação de liberdade”. Sorri. Ela sorriu. “Tomei um susto com as suas mãos”. Ela abriu ainda mais o sorriso. CONTINUA!

sábado, 4 de julho de 2020

Incerto

Quero até não querer
Este jeito de viver
Pois quanto mais quero
Sinto que mais espero.
Longa, talvez, não seja
Porque a tenho perto
Embora ainda veja
O futuro como incerto.
Fé tenho e acredito
Reafirmo o dito:
Amo-te, sem igual,
Um amor incondicional.
Ainda que seja incerto
Quero-te inteira, minha
Meu mais amplo universo
É você, linda minina.

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Calma

Saudade
Invade os cômodos
Maldade
Invade a alma.
A calma
Acalma o espírito
Que a ti se entrega:
Calma!
Posso esperar
Você decidir me amar.

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Metade

Por inteiro
Este pobre Monteiro
Sente-se honrado
Em estar ao teu lado.
Ainda que pela metade
Ou só em um quarto
O fogo que em mim arde
Apaga quando parto.
Você não mais inteira
De qualquer maneira
Quero-te mesmo assim
Metade ou inteira pra mim.

terça-feira, 30 de junho de 2020

Essencial

Você disse que sou essencial
Passei a me sentir fundamental
Alguém assim, meio básico
Quase um cara fantástico.
Uma pessoa basilar
Que nasceu para te amar
Um amor que é substancial
Primordial, capital ou crucial.
Um ser que se faz medular
Muito além de elementar
Sem ser o primeiro, relevante
Para você, muito importante.
Quem sabe, sou indispensável
Ou me torno imprescindível
Pelo menos, necessário
Se não for obrigatório.
A ti, quero ser inerente
Da tua vida, pertencente
Intrínseco, específico e peculiar
És essencial a mim, quero te amar.


segunda-feira, 29 de junho de 2020

domingo, 28 de junho de 2020

Como der

Eis-me aqui
Ao teu dispor
Para te amar
E receber teu amor.
Ainda que dividido
Ou até, não correspondido
Que venho como puder;
Quero-te (minha) mulher.