Tempestade de ideias

Lia Ernst Hans Gombrich. Encantado com Leonardo da Vinci, ao anoitecer de uma tarde amazônica. Absorto. Os olhos em “Estudos anatômicos”, laringe e perna, de 1510. Quanta perfeição! Pura arte e anatomia nunca vistas. A última ceia. Mona Lisa. Os olhos deslizam das páginas. À esquerda. Clarões, nuvens, luzes. Sinalizadores do pássaro de aço que da Vinci idealizara. Os olhos voltam-se para as páginas. Mona Lisa. Uma força me impele a erguer os olhos. Duas mãos estendidas por sobre a poltrona 10A chegam a me assustar. O sinal da presença humana tirou-me dos momentos de transe total nos quais vivia cada detalhe de Gombrich sobre da Vinci. A respiração oscilou o ritmo. Um rosto de menina surge entre aquelas mãos, na altura dos cotovelos, lança-me um sorriso terno, infantil e diz; “Tio, porque o senhor deixa aquilo aberto?” e dirige o braço direito para a janela da poltrona 11A na qual eu estava sentado. “É para olhar a nuvens e curtir essa sensação de liberdade”. Sorri. Ela sorriu. “Tomei um susto com as suas mãos”. Ela abriu ainda mais o sorriso. CONTINUA!

domingo, 11 de outubro de 2015

Carne

O doce mel que do teu corpo exala
Tem o poder até de transportá-la
E penetrar por dentro da minha carne
Feito uma lâmina que ao entrar arde.
O sangue queima à circular nas veias
Já não consigo me libertar das teias
O teu sorriso chegou sem alarde
E dominou o todo da minha carne.
Hoje não penso em ti apenas carnalmente
És dona de todo o cinza da mente
Em cada parte do corpo que arde
É um pedaço teu em minha carne.


Um comentário:

  1. Simplesmente DIVINO!!! Sentimento e sensualidade na dose certa!

    ResponderExcluir